domingo, 21 de agosto de 2016

BENFICA - 1 V. SETUBAL - 1 - NEGATIVO


Sadinos travaram euforia do campeão

Vitória de Setúbal abriu o marcador no arranque da segunda parte e só um golo de Jiménez impediu a derrota do 'tricampeão' em casa.

Grimaldo em ação no jogo
Foto: Miguel A. Lopes
Grimaldo em ação no jogo da segunda jornada entre Benfica e Vitória de Setúbal



Por Eduardo Santiago sapodesporto@sapo.pt
O Benfica perdeu os primeiros pontos no campeonato nacional ao empatar a 1-1 com o Vitória de Setúbal em jogo a contar para a segunda jornada. Frederico Venâncio abriu o marcador no arranque da segunda parte enquanto que Raúl Jiménez de grande penalidade fez o 1-1.
No regresso a casa do 'tricampeão' nacional a casa depois de uma longa ausência, os adeptos do Benfica fizeram questão de marcar presença para o primeiro jogo da época no Estádio da Luz e criar um clima de gala para os jogadores comandados por Rui Vitória que fez poucas alterações em relação à jornada inaugural. E perante a ausência do capitão Luisão devido a lesão, o treinador do Benfica apostou em Lisandro López e lançou de início Salvio para o lugar de Gonçalo Guedes.
Apesar do ambiente intimidador nas bancadas, o Vitória de Setúbal apresentou-se muito organizado no sector defensivo e a jogar com as linhas muito recuadas. Na primeira meia-hora de jogo, o Benfica conseguiu criar poucas oportunidades de golo devido ao trabalho defensivo dos sadinos. Com André Horta muito activo nas manobras da equipa e com um Mitroglou muito estático na zona mais ofensiva, cabia a Salvio e Pizzi criar desiquilíbrios uma vez que Cervi não conseguia 'explodir' sem espaço.
Ao intervalo, o nulo no marcador era reflexo do bom posicionamento dos jogadores de José Couceiro, enquanto que do lado do Benfica a forte pressão com que terminou a primeira parte era um bom indicador para o segundo tempo.
No arranque da etapa complementar, Rui Vitória lançou em jogo Raúl Jiménez e retirou Franco Cervi. A entrada do avançado mexicano agitou o jogo, e aos 64 minutos José Couceiro lançou Arnold para o lugar de João Amaral.
E num lance de bola parada contra a corrente de jogo, o Vitória de Setúbal acabou por abrir o marcador aos 66 minutos de jogo por intermédio de Frederico Venâncio após cruzamento na direita de Nuno Pinto. A bola bem colocada para o coração da área parece receber um leve desvio do capitão sadino e acabou no fundo das redes de Júlio César.
Perante a pressão de estar a perder em casa, Rui Vitória lançou no jogo André Carrillo e tirou Pizzi. Aos 76 minutos, o extremo peruano consegue receber uma bola no coração da área sadina, mas numa posição frontal remata de pé direito ao lado.
Em vantagem no marcador, o Vitória de Setúbal acabou por tentar gerir o resultado mas acabou por sair penalizado quando aos 82 minutos o Benfica conseguiu empatar o jogo de grande penalidade. Raúl Jiménez frente a Bruno Varela não desperdiçou a oportunidadade para fazer o 1-1 da marca dos onze metros.
Com o jogo empatado, o Benfica intensificou ainda mais a pressão junto a área de Bruno Varela, e apesar do autêntico sufoco criado pelos jogadores de Rui Vitória, o Vitória de Setúbal acabou por conseguir levar um ponto para o Bonfim.

sábado, 20 de agosto de 2016

Ac.Viseu FC 2 - 2 Varzim SC -INGLÓRIO

O Académico alcançou o primeiro ponto na prova, com um empate a 2 golos na receção ao Varzim. Zé Pedro foi o primeiro marcador na presente temporada.


O mister André David procedeu a uma alteração em relação ao onze que defrontou o Porto B, lançando Luisinho entre os titulares. Assim jogaram: Rodolfo, Tomé, Bruno Miguel, Bura e Stepfane; Pana, Capela e B.Loureiro; Yuri, Luisinho e Zé Pedro. Entraram na 2ªparte: Moses, Abner e J.Postiga

A primeira parte foi claramente marcada por um Académico de Viseu mandão e ofensivo, que chegou, em certo períodos do jogo, a ser sufocante, praticando mesmo um futebol empolgante para os adeptos presentes nas bancadas do Fontelo. Contudo o golo não chegou, e foi o Varzim que a finalizar os primeiros 45min., em contra-ataque, fez o 0-1 por Tiago Alves. 

Antes disso, Luisinho, de regresso ao Fontelo, perdia duas ocasiões que, milagrosamente, não entraram na baliza varzinista defendida por Paulo Vítor. O mágico ia mesmo fazendo o golo da tarde, num chapéu de belo efeito perto da divisória do meio-campo, mas que foi defendida para canto pelo guardião forasteiro. 0-1 era o muito injusto resultado ao intervalo.


Para a 2ª parte, o mister André David trocava Yuri por o regressado Moses. A verdade é que o Académico até recomeça bem, com Zé Pedro a finalizar com sucesso o milimétrico cruzamento de Luisinho, 1-1 aos 49min. Contudo, pouco depois, o balde de água fria cai com estrondo no fontelo, com o atípico golo Varzinista. O GR academista fiou-se no golpe de vista, e a bola, num cruzamento/remate de Tiago Alves, anichava-se na baliza do Académico, 1-2 era o resultado. Tudo acontecia. 

Os viseenses, nesta fase da partida, não estavam bem, dando mesmo a ideia de algum desnorte. O Varzim aproveitava e, podia também ter resolvido a partida, mas Rodolfo, em defesa espetacular, evita o golo que seria fatal. 

Foi mais com o coração que com a cabeça, e já com José Postiga em campo que o Académico chegaria ao empate. Insistência do avançado na esquerda do ataque, que com um cruzamento/remate em força, fez com que o defesa do Varzim fizesse autogolo. 2-2, que seria o resultado final. 

Um mal menor para a turma de André David, que face ao futebol desenvolvido – principalmente pela excelente 1ªparte – seria uma injustiça tremenda sair derrotada. Mas é o futebol, e é preciso serenar, controlar ansiedade, a qualidade está cá, e o golo vai aparecer de certeza, e será já nesta 4ªf frente ao Gil Vicente, em Barcelos.