segunda-feira, 20 de março de 2017

A.COIMBRA - 1 A.VISEU - 2 -HISTÓRICO



35 anos depois o Académico vence novamente em Coimbra a equipa da Académica, bem, em abono da verdade, na altura, o Académico de Coimbra. Foi na 1ª Divisão e o Académico venceu por 2-0, na altura um “Académico de Coimbra” praticamente condenado à descida de divisão o que acabou por acontecer. Repito, isto foi em 1982, há, portanto, 35 anos.
Hoje, o Académico perante um Estádio com um moldura humana muito interessante para os padrões da 2ª Liga, foi de longe o jogo com mais adeptos nas bancadas em toda a época, numa tarde magnífica de sol com um relvado em excelentes condições, num ambiente fantástico nas bancadas, onde o Preto e Branco imperou, a cor de ambas as formações, tivemos um jogo carregado de história, carregado de emoções, sempre foii assim um Académico-Académica ou vice-versa, tal como acontecia com o Academico – Beira-Mar, que saudades desse jogos intensos, hoje houve um jogo desse e que saudades todos tínhamos de jogos com esta “Alma”, sim estes jogos têm alma, e isso no futebol espectáculo, conta e muito.
O Académico entrou em campo muito pressionado pela urgênica de obter 3 pontos, pois nas 3 últimas jorandas, zero pontos, sendo que é verdade, um jogo está por fazer e nos outros dois situações completamente atípicas ditaram os resultados dos jogos, embora de forma completamente distinta, pois contra o Freamunde, embora não jogando muito bem o Académico mereceu ganhar, e contra o Sporting B, embora a vitória do Sporting seja justa, há um lance perto do fim que nos poderia dar o empate e aí o árbitro não esteve bem. Tudo resumido, por uma ou outra razão era imperioso ganhar somar 3 pontos e entrar na confusão classificativa, novamente e isso foi conseguido.
A Académica marca muito cedo, o Academico demora a reagir, mas equilibra na 1ª parte, embora sem criar verdadeiras situações de perigo. O intervalo tudo mudou e o Académico a perder por 1-0, entrou com muito mais dinanismo, muito mais pressão sobre a bola e num toque de génio de Tiago Borges, pela direita surge um cruzamento já quase na pequena área para a zona de finalização onde Zé Paulo só teve que empurrar. O toque do Tiago Borges é 65% do golo!
Quase de seguida o Académico embalado em saida saída par ao contra-ataque chega ao 2-1 por intermédio de Zé Paulo, muito inspirado e muito decidido na hora de fazer golo, algo que faltou à nossa equipa em vários jogos, a decisão na hora de acertar na baliza, hoje, muito bem a esse nível. A Académica ficou completamente atordoada com a reviravolta conseguida pelo Académico, Costinha mexe de imediato, Francico Chaló mantém a equipa que estava a jogar bem e a controlar o jogo, e eis que em mais uma saída rapídissima, Bruno Loureiro aparece sozinho na direita, centra com precisão e Luisinho e Zé Paulo não conseguem o que parecia certo o 3-1. A partir daí a Académico caiu com tudo em cima da nossa área tem um bola no poste, mais outra bola em cima da linha de golo, mas via-se que havia muita ansiedade e nós se fossemos inteligentes até ao fim, podíamos mesmo ganhar o jogo, embora com grande sofrimento como seria de esperar.

Já em periódo de descontos quando o árbitro dá 5 minutos, eis que numa reposição de bola em jogo do nosso Guarda-Redes, Rodolfo, eis que o árbitro que fez uma boa atuação decide dar 2ª amarelo ao nosso GR, já tinha dado 1º amarelo em situação idêntica e sem qualquer aviso, aqui vai, 2ª amarelo e vermelho direto, um claro exagero, quem nem os adeptos da Académica perceberam. Faltam ainda 5 minutos de descontos, o que sem Guarda-Redes pode ser uma eternidade. Bura, chamado à função disse presente e terá pensado, “que raio se de cabeça consigo cortar as bolas cruzadas, com as mãos vai ser ainda mais fácil” e não é que tem uma saída a punhos digna de um Casillas. Bura foi o heroi no parte final do jogo e acabou por segura ruma vantagem, tão importa, tão difícil de alcançar e que podia cair por terra naqueles 5 minutos finais.
No final no fórum do Eatádio de Coimbra, com o meu boné e o meu cachecol do Académico fui cumprimentado por vários adeptos da Académica com um correção que é de assinalar.
Devo referi pois que a nossa vitória é obtida com alguma felicidade, temos d eo reconhecer, felicidade essa que nos faltou em vários jogos, mas foi um Vitória que tudo pode decidir a nosso favor se uma onda Academista de APOIO se gerar nesta parte final e decisiva do Campeonato. Temos de ir TODOS ao Fontelo, o Académico precisa de TODOS nós. Hoje em Coimbra eramos bastantes, a claque apoio de forma incondicional, mas temos de ser mais, mais e mais. Mostrar o Orgulho de ser ddo Académico, o grande Clube da Beira-alta, a par da Académica, os dois maiores Clubes da Região Centro, tendo em conta toa a história de ambos os Clubes.
Um palavra de grande apreço para os adeptos da Académica, para mim os adeptos mais corretos de Portugal a ver futebol, um exemplo para todos. Apoiam a sua equipa, não insultam o adverásio, o árbitro, limitam-se a Apoiar a sua Equipa, convivem pacificamente e com toda a cortesia com os adeptos do Clube adversário, são um exemplo de civismo, desportivismo, cultura desportiva, saber estar no Futebol, assim vale a pena.
São 2 equipas merecedoras d eum lugar na 1ª Liga, a Académica quase sempr elá, o Academico há quase 3 de´cadas afastado, mas quando lá esteve com muito mais gente nas bancadas do que a Académica, por isso, ambos merecem, um dia, quem sabe a curto prazo voltarem ao patamar cimeiro do Futebol Português.
Para aquele sque pensam que estou a dizer estas palavras de simpatia para com a Académica e os seus adeptos por o Académico ganhou, deixo aquilo qu eescrevi em 2013, quando o Académio perdeu para a Taça de Portugal, para se perceber que a minha opinião sobre a cortesia dos Adepotos da Académica já nessa latura ficou bem clara


Carlos Silva

sábado, 18 de março de 2017

P.FERREIRA - 0 BENFICA - 0 - ZEROS

Águias escorregam em Paços e abrem caminho aos Dragões

Benfica deixou fugir a oportunidade de entrar no clássico em vantagem. Com o empate em Paços de Ferreira, os encarnados deixam a liderança à mercê do FC Porto.
O Benfica não conseguiu marcar um golo na Mata Real e perdeu dois pontos antes de receber o FC Porto
Foto: Francisco Leong
O Benfica não conseguiu marcar um golo na Mata Real e perdeu dois pontos antes de receber o FC Porto.
Por João Agre sapodesporto@sapo.pt
O Benfica e o Paços de Ferreira empataram, este sábado, no encontro referente à 26.ª jornada do campeonato português, que foi disputado no Estádio da Capital do Móvel. Com esta ‘escorregadela’, os encarnados têm agora a liderança em risco, uma vez que caso o FC Porto vença amanhã, no Estádio do Dragão, diante do Vitória passa a ser o novo líder da I Liga.
Uma das novidades no onze dos 'encarnados' foi o regresso à titularidade de Nelson Semedo e para a reedição da dupla Jonas-Mitroglou no ataque. No meio-campo, Rui Vitória continuou a apostar em Pizzi e Samaris.
Desde o apito inicial que o Benfica instalou-se no meio campo adversário, mas com o decorrer do relógio, o jogo foi ficando mais intenso a meio-campo.
A equipa comandada por Rui Vitória ia jogando bem, pressionando alto, perante um Paços com dificuldades para conseguir sair ao ataque, algo que, aos 24 minutos, conseguiu fazer, se bem que por breves instantes.
Aos 25 minutos surgiu a melhor oportunidade para o Benfica durante o primeiro tempo. Eliseu encheu o pé esquerdo, longe da área, e a bola bateu com estrondo no poste esquerdo da baliza do Paços.
Perto do intervalo, o Benfica foi perdendo fulgor, recolhendo aos balneários vendo um 0-0 no marcador, não sem antes se ter gerado uma confusão na bancada entre adeptos do Paços e do Benfica.
O Benfica voltou a entrar melhor no segundo tempo, mas até foi a equipa da casa que criou o primeiro momento de perigo, mas Ederson levou a melhor sobre Medeiros. O início da etapa complementar foi bem mais dividido, com o Benfica a não ter a mesma determinação da primeira parte.
Rui Vitória operou três substituições, fazendo sair Salvio, Zivkovic e Eliseu para os lugares de Rafa, Cervi e Jiménez, mostrando que o treinador do Benfica estava determinado a sair de Paços com os três pontos, algo que acabou por não acontecer.
Com este resultado, o Benfica coloca a liderança nas mãos do FC Porto, que entra em ação este domingo, contra o Vitória de Setúbal, no Estádio do Dragão. Os encarnados têm agora 64 pontos, enquanto os Dragões contam com 62.
Conteúdo publicado por Sportinforma